Toni Sbrontolon

Toni Sbrontolon

Ciàcole

Graduado em Filosofia pela Faculdade de Ijuí, e com Pós-graduação em Letras pela Universidade de Caxias do Sul, Ivo Gasparin é professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

Com o pseudônimo de Tóni Sbrontolon, é colunista dos jornais O Florense e Expresso do Oeste de Santa Catarina, com a coluna humorística intitulada Ciàcole.

Foi professor do Curso Supletivo Mutirão, por quase dez anos, onde organizou e promoveu a Noite da Arte e da Poesia. No ano de 2008 destacou-se com o lançamento do romance Segredo de Pedra, que é uma história que se passa entre os anos de 1945 a 1970, no interior do município de Flores da Cunha.

Dentro da música, destacou-se como fundador e componente do Grupo Ricordi, que possui sete trabalhos gravados, onde se encontram mais de trinta músicas de sua autoria como a Scala Rolante, o Cevete do Bepino, Se o Sinelo non Resbala, Vino e Bombace, Da Tera do Ciò para a Terra do Tchê, Lê Comare, As Gurrias do Bailon, Zanisse e muitas outras.

Ivo Gasparin escreve para O Florense desde março de 2006.

Contatos

La me Camioneta

Pena de là del ponte del Rio da Zanta, go visto che ghen’era na camioneta rabaltada la zo nte un baranco, de gambe par’ària

Stimana passada son dà la su a Antônio Prado, e quando zera drio retornar, pena de là del ponte del Rio da Zanta, go visto che ghen’era na camioneta rabaltada la zo nte un baranco, de gambe par’ària
Ghen’era le Policie, i Bomberi e na mùcia de gente là ntea strada che i ghe fea la varda.  Me go fermà anca mi, nò de curioso, ma sol  par veder se ocorea iutarghe. Quando che son rivà là darente, ciò, i Bomberi i zera là che i proea de tuto par tirar fora el sofero che lera là meso schicià rento de a gabina e che’l seitava osar:
– Pa’amor de Dio, tireme via de quà che son drio morir!
I Bomberi i ghe disea che’l se calmasse.
– Come calmarme, Santo Dio! Si mia ndrio veder come che la ze restada la me camioneta?  Cossa fao adesso sensa la me camioneta! La me efe sento! La gavea pena fato quarenta mila chilòmetri!  Sessanta ani che la gavea e no la me ga mai dassà pa strada.
E i Bomberi che i proea calmalo:
– O senhor se acalme, por favor!
– Calmarme èh?! Cossa dirala la me dona quando che  rivo casa sensa la me camioneta? Pora can anca ela che a ghe piasea tanto ndar a messa cola me camioneta?! Quante volte  che son’dà a Nova Trento e no me ga mai sucedesto gnente. Saralo pròpio el demònio?
E i Bomberi che i seitea:
– Estamos pedindo que o senhor se acalme. O senhor está perdendo muito sangue. O senhor não viu que perdeu metade do seu braço?
– Porco de un cane, anca quela adesso?  Onde zelo el  reloio che lera picà ntel  braço?