Toni Sbrontolon

Toni Sbrontolon

Ciàcole

Graduado em Filosofia pela Faculdade de Ijuí, e com Pós-graduação em Letras pela Universidade de Caxias do Sul, Ivo Gasparin é professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

Com o pseudônimo de Tóni Sbrontolon, é colunista dos jornais O Florense e Expresso do Oeste de Santa Catarina, com a coluna humorística intitulada Ciàcole.

Foi professor do Curso Supletivo Mutirão, por quase dez anos, onde organizou e promoveu a Noite da Arte e da Poesia. No ano de 2008 destacou-se com o lançamento do romance Segredo de Pedra, que é uma história que se passa entre os anos de 1945 a 1970, no interior do município de Flores da Cunha.

Dentro da música, destacou-se como fundador e componente do Grupo Ricordi, que possui sete trabalhos gravados, onde se encontram mais de trinta músicas de sua autoria como a Scala Rolante, o Cevete do Bepino, Se o Sinelo non Resbala, Vino e Bombace, Da Tera do Ciò para a Terra do Tchê, Lê Comare, As Gurrias do Bailon, Zanisse e muitas outras.

Ivo Gasparin escreve para O Florense desde março de 2006.

Contatos

I preti nte le praie

Quando che riva el mese de genaio, tuti i pensa de ndar zo ale praie, e no sti mia pensar che la sìpie difarente coi preti.
Alora, ga sucedesto che due preti giovanoti i se ga combinà de, un ano ndar ale praie, ma no i volea mia ndar la zo in Areias Brancas onde i ndea tuti i ani, e onde tuti i li cognossea belche. Alora, el padre Carlo el ghe ga dito al padre Mighel:
– Sto ano proemo ndar nte na praia che nessun ne cognossa, che cossita podemo sprosiarse anca noantri, un pochetin, come due giovanoti.
Alora i se ga combinà de ndar la su nte le praie de Santa Catarina, che i gávea sentio dir che la àqua la ze pi neta e anca pi calda. Me par che i ze ndai là nte la Praia do Rosa, onde ghe ze sol giuventù e surfiste.
I se ga comprà un paro de calsuni cada um, de quei ben curtini e ben moderni, na camiseta de física con la inscrission ‘Coca-Cola’, i ga ciapà na caregheta cada un e i ze ndai sentarse là nte la praia a vardar el movimento, a far finta che no i zera mia preti, contenti e pacìfichi che nessun li cognossea.
De la de na mesa ora, i vede che ghen’era due bele tose che le vegnea tute sprosiete, contente, ridendo, e quando che le ze passae ben darente a i due preti, una la ga parlà cossita:
– Bom dia, padre Carlo! Bom dia padre Miguel!
E le ze ndae via sensa dir pi gnente.
I due preti no i ga gnanca verto la boca. Sol dopo che le ze ndae pi distante, el padre Carlo el ga dito:
– No son bon de capirla come che le ga visto che semo preti. Sarà pròpio che gavemo a marca scrita ntea testa?
Alora el padre Miguel el ga bio na idea:
– Doman femo cossita: se compremo na pransa, na roba intiera de surf, metemo su un paro de ociai negri, e femo finta de esser surfiste, vui veder mi chi che ne cognosse. 
E cossita i ga fato, e el giorno drio i z’era là ntel medèsimo posto, la che i verdea el movimento, tuti due vestii de surfiste. 
De là un pochetin de tempo i vede che le due tose de geri, le z’era là che Le vegnea, tute sprosiete, tute contente, come due farfale. Quando che le ze passae davanti a i due preti:
– Bom dia padre Carlo!  Bom dia padre Miguel?
– Um momento, por favor – ghe ga dito el padre Carlo – Como é que vocês conhecem a gente?
– Eu sou a irmã Clara e esta e a irmã Francisca?
È... Anca le mòneghe e ghe piase de ndar ale praie...