Toni Sbrontolon

Toni Sbrontolon

Ciàcole

Graduado em Filosofia pela Faculdade de Ijuí, e com Pós-graduação em Letras pela Universidade de Caxias do Sul, Ivo Gasparin é professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

Com o pseudônimo de Tóni Sbrontolon, é colunista dos jornais O Florense e Expresso do Oeste de Santa Catarina, com a coluna humorística intitulada Ciàcole.

Foi professor do Curso Supletivo Mutirão, por quase dez anos, onde organizou e promoveu a Noite da Arte e da Poesia. No ano de 2008 destacou-se com o lançamento do romance Segredo de Pedra, que é uma história que se passa entre os anos de 1945 a 1970, no interior do município de Flores da Cunha.

Dentro da música, destacou-se como fundador e componente do Grupo Ricordi, que possui sete trabalhos gravados, onde se encontram mais de trinta músicas de sua autoria como a Scala Rolante, o Cevete do Bepino, Se o Sinelo non Resbala, Vino e Bombace, Da Tera do Ciò para a Terra do Tchê, Lê Comare, As Gurrias do Bailon, Zanisse e muitas outras.

Ivo Gasparin escreve para O Florense desde março de 2006.

Contatos

De quem é a culpa?

O homem agradeceu a Deus. Antes de ir embora, falou das súplicas do lobo, da moça infeliz e da árvore.

Um homem, sentindo-se injustiçado pela situação de vida, decidiu visitar Deus para pedir-lhe satisfação e solução. Pelo caminho encontrou um lobo que lhe falou da dificuldade de encontrar alimento; uma moça lhe falou que era infeliz; e uma árvore que não tinha folhas. Ao saber de que iria falar com Deus todos pediram solução para seus problemas. O homem chegou diante de Deus e expôs sua situação. “Dizem ser o Senhor imparcial, tratando todos os homens da mesma maneira. Eis o meu caso: trabalho feito doido, até a exaustão, faço de tudo e apesar disso continuo pobre. Há dias que faço apenas uma refeição. Conheço muitos que, pouco trabalhando, se tornaram ricos e levam uma vida faustosa. Onde estão a igualdade e a imparcialidade?”. “Muito bem! Vou atender ao seu pedido. A partir de hoje você poderá se tornar rico e feliz. Vá agora, procure e saiba aproveitar essa tua sorte.” O homem agradeceu a Deus. Antes de ir embora, falou das súplicas do lobo, da moça infeliz e da árvore. Para cada caso Deus deu uma solução. Agradeceu novamente e tomou o rumo de volta. Ao retornar junto à arvore lhe disse que embaixo dela havia um pedaço grande de ouro que impedia dela se alimentar e ter vida. Então ela sugeriu que o homem cavasse e retirasse o ouro, dizendo que ele ficaria rico e ela poderia viver. Contudo, o homem não aceitou, dizendo que Deus lhe pediu para procurar sua sorte. Foi embora. Encontrando a moça falou-lhe que Deus sugeriu que casasse e partilhasse com seu companheiro as tristezas e as alegrias. Então ela pediu-lhe que casasse com ela, mas o homem disse que precisava procurar sua sorte. Ao encontrar o lobo contou-lhe a estória da árvore e da moça. “E para mim?”, disse o lobo. Então o homem lhe falou que Deus pediu-lhe para “procurar” um bobão, devorá-lo e saciar sua fome. “Onde poderei encontrar um bobão mais perfeito que você”, replicou o lobo, que devorou o ‘herói’. (Conto armênio)