Maurício Pauletti

Maurício Pauletti

é Tão Fácil Ser Feliz

Formado em Direito pela Universidade de Caxias do Sul, Maurício Pauletti é industrial gráfico do município de Flores da Cunha há 32 anos. No universo das comunicações, Maurício contribuiu como diretor-presidente do jornal O Vindimeiro. Já apresentou o programa Parlavêneto na rádio Vêneto durante 7 anos na década de 90.

Pauletti já presidiu a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e é membro-fundador do Rotary Club florense. Ele também marca presença na comunidade religiosa, ministrando cursos para noivos, sendo ministro extraordinário da Eucaristia e atual ministro extraordinário da Palavra. Hoje, Pauletti faz parte do Movimento do Cursilho.

Maurício Pauletti já integrou o Conselho Deliberativo da Sociedade Recretiva Aquarius, presidente da Associação Rio-grandense de Bocha Pontobol e presidente da liga Florense de Bocha Pontobol. Politicamente, Pauletti já integrou a câmara de vereadores de Flores da Cunha pela antiga Arena e hoje é membro do diretório municipal do Partido Progressista (PP).

Contatos

Use a gratidão como combustível

O contato com o sofrimento do mundo nos faz mais gratos do que temos e nos impulsiona a cultivar coisas boas para nós e para os outros

O contato com o sofrimento do mundo nos faz mais gratos do que temos e nos impulsiona a cultivar coisas boas para nós e para os outros. Reconhecer o quão extraordinário são as coisas do nosso cotidiano nos ajuda a manter o equilíbrio com relação às tragédias do mundo e, somente em equilíbrio, conseguimos agir. Quando você muda a si mesmo, você tem o potencial de mudar o mundo.
A oportunidade nos é dada a cada novo segundo de vida. Na maioria das vezes congelamos nossa existência em planos muito bem definidos em nossas mentes e, quando eles dão errado, caímos no desespero e na depressão. Poderíamos ser mais livres, permitindo que essas oportunidades se abram para nós e aproveitando o movimento da vida, a transitoriedade, dançando junto com a música.
Quando reconhecemos essas oportunidades, aceitamos os desafios de aprender coisas novas, mesmo que dolorosas e, a partir desses aprendizados, geramos transformação. Mas como começar a fazer isso?