Maurício Pauletti

Maurício Pauletti

é Tão Fácil Ser Feliz

Formado em Direito pela Universidade de Caxias do Sul, Maurício Pauletti é industrial gráfico do município de Flores da Cunha há 32 anos. No universo das comunicações, Maurício contribuiu como diretor-presidente do jornal O Vindimeiro. Já apresentou o programa Parlavêneto na rádio Vêneto durante 7 anos na década de 90.

Pauletti já presidiu a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e é membro-fundador do Rotary Club florense. Ele também marca presença na comunidade religiosa, ministrando cursos para noivos, sendo ministro extraordinário da Eucaristia e atual ministro extraordinário da Palavra. Hoje, Pauletti faz parte do Movimento do Cursilho.

Maurício Pauletti já integrou o Conselho Deliberativo da Sociedade Recretiva Aquarius, presidente da Associação Rio-grandense de Bocha Pontobol e presidente da liga Florense de Bocha Pontobol. Politicamente, Pauletti já integrou a câmara de vereadores de Flores da Cunha pela antiga Arena e hoje é membro do diretório municipal do Partido Progressista (PP).

Contatos

Aprenda a fazer o bem

O bem sempre vence. Esta é uma convicção moral testemunhada e cultivada pelo coração dos que apostam na bondade

O bem sempre vence. Esta é uma convicção moral testemunhada e cultivada pelo coração dos que apostam na bondade. Ela é que mantém e sustenta os retos e bons no caminho e na prática do bem. Até mesmo quando as provas e evidências não apontam nesta direção e nem justificam sua adoção. Mais difícil é sustentar esta convicção quando se contabiliza o crescimento do mal no mundo, os prejuízos que atingem frontalmente os pobres e indefesos. 
É triste verificar o mal praticado como rotina e como gosto prazeroso. É a morbidez da maldade como prazer tomando conta dos corações. Ainda mais triste é saber e conviver com tantos corações, disfarçados em rostos falsamente angelicais, que se alimentam de cálculos maliciosos e ardilosos para justificar e manter suas posições, vantagens e interesses. Esta aposta no bem desarma os impulsos do revide e invalida as lógicas da vingança. 
Vale, então, refletir diuturnamente nos corações a força ética deste determinante convite: Aprendei a fazer o bem. 


Dom Walmor Oliveira de Azevedo