Rejeitado o projeto que pretendia criar a cobrança da iluminação pública

Por Fabiano Provin - Fabiano@jornaloflorense.com.br | 21 de Novembro de 2017 às 08:00

Derrota do governo municipal foi consolidada com dois votos de vereadores da base aliada

O polêmico projeto que pretendia instituir a cobrança da iluminação pública em Flores da Cunha foi rejeitado por maioria na Câmara de Vereadores de Flores da Cunha. A votação ocorreu na sessão desta segunda-feira, dia 20 de novembro. Foram contrários Claudete Gaio Conte (PDT), César Ulian (PP), Clodo Rigo (PP), Samuel de Barros Dias (PTB) e Pedro Sperluk (PSB). Foram favoráveis Everton Scarmin, João Paulo Carpeggiani e Ademir Barp, todos do PMDB. O presidente da Casa, Moacir Ascari (PMDB), só votaria em caso de empate. A derrota do governo municipal foi consolidada com os votos de dois vereadores da base aliada, Dias e Sperluk.

O projeto de lei complementar que visava instituir a contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (Cip) tramitou no Legislativo desde março. Se aprovado, conforme previsão da prefeitura, a arrecadação anual com a Cip poderia chegar a R$ 980 mil com o argumento de que o valor seria revertido para ações de segurança.

 

Leia também:

Projeto que cria a taxa da iluminação pública será votado na segunda-feira

Tweetar

Imagens:

0 comentários



Ainda não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário