Florenses pelo Mundo – Vida na Inglaterra

Por Larissa Verdi – Larissa@jornaloflorense.com.br | 15 de Março de 2017 às 09:35

O jovem Gabriel Vanelli Ferreira Braga reside em Londres e conta um pouco da sua vida na segunda reportagem da série ‘Florenses pelo Mundo’

Sair da casa dos pais, morar em outra cidade e em outro país, enfrentar as diferenças da língua e dos costumes. Estes foram alguns desafios superados pelo florense Gabriel Vanelli Ferreira Braga, 28 anos, que há quase cinco anos mudou-se para Londres, na Inglaterra. O destino era certeiro, e o objetivo inicialmente era estudar inglês e trabalhar, o que se concretizou. “Eu tinha alguns conhecidos em Londres, já sabia onde ia morar, e desde o início fui com a ideia de permanecer”, conta. Antes de mudar o rumo da vida, Braga residia em Flores da Cunha com os pais José Antônio e Marisa, estudava Administração e era estagiário em uma agência bancária em Caxias do Sul. Hoje, ele ilustra a segunda reportagem da série especial Florenses pelo Mundo.

Os primeiros meses foram de adaptação da cultura e da língua principalmente. “Eu sempre estudei inglês no Brasil, mas falar no dia a dia é diferente, complica principalmente pelos sotaques e expressões locais. O inglês britânico também foi mais difícil, pois algumas palavras são diferentes e a pronúncia é característica. É como se comparássemos o português do Brasil com o português de Portugal, dá para entender, mas existem diferenças grandes”, pontua.

Morar fora do país talvez seja um sonho para muitas pessoas, mas a realidade não é tão simples. Braga destaca que somente em Londres são cerca de 200 mil brasileiros que, legal ou ilegalmente, estão ‘tentando a vida’. “As pessoas saem do Brasil pensando em ganhar dinheiro, mas aqui também se trabalha muito, inclusive em empregos que no Brasil não são muito valorizados. Sair do Brasil é uma questão de ter mais segurança e principalmente acessibilidade à cultura como shows, espetáculos, viagens próximas, o que no Brasil ainda não é uma realidade”, afirma. Nos primeiros anos, Gabriel trabalhou como atendente em uma churrascaria brasileira e hoje trabalha em uma rede de restaurante japonês, a Itsu. Ele aposta neste trabalho e pretende se especializar na área.

Outro desafio foi o de morar longe da família. O jovem que sempre morou com os pais sentiu a responsabilidade de pensar em tudo para uma casa: contas, louça e roupa para lavar, organizar o espaço e conviver com outras pessoas. Atualmente ele divide a casa com quatro brasileiros. Apesar da saudade da família e dos amigos, o jovem não hesita quando a pergunta é voltar ao Brasil. “Quando balanço os pontos positivos e negativos, sem dúvida fico por lá. Hoje não voltaria, pois minha vida está em Londres, trabalho, amigos e rotina. Enfim, não se sabe o dia de amanhã, mas não tenho planos de voltar por enquanto”, frisa.

No início deste ano, Braga aproveitou as férias do trabalho para ficar três semanas com a família. Reuniu os amigos em Flores e Caxias e diminuiu a saudade do sobrinho Arthur, de um ano e meio, a quem acompanha o crescimento de longe. “A internet ajuda muito a nos mantermos conectados o tempo todo, mas é diferente, essas semanas consegui curtir bastante a minha família, principalmente o Arthur. A saudade sempre existe, mas se aprende a lida com ela”.

Agitação e clima

Londres é um dos maiores e mais importantes centros financeiros do mundo. A população passa de 8 milhões de habitantes e o local oferece tudo o que um grande centro pode oferecer: uma rotina agitada e onde culturas de todo o mundo se encontram. Morar lá é conviver com cartões postais famosos como o Big Ben, a London Eye e o Palácio de Buckingham. Apesar de tantas atrações, o florense afirma que o que não aprova é a comida. “É um estilo de vida diferente, eles estão muito acostumados a comer comida pronta e industrializada. O brasileiro gosta de uma comida caseira, então é a primeira coisa que sentimos fora daqui”, conta Gabriel, enfatizando que a relevância é ainda mais ressaltada quando se é acostumado com a fartura da Serra Gaúcha.

O clima londrino também é bastante peculiar. Escurece cedo no inverno, e a umidade, chuvisco e frio nesta estação são característicos. Braga não esconde a satisfação de ter conseguido superar os desafios e se estabelecer fora do país. O amadurecimento pessoal é uma consequência, e os meios para vencer são, apesar de dificultosos, enriquecedores. “Quem tiver oportunidade ou vontade deve persistir, pois como tudo na vida exige abrir mão de algumas coisas para se ter outras”, avalia.

 

Vídeos

Confira abaixo e no nosso canal no Youtube um vídeo onde o florense Gabriel Vanelli Ferreira Braga fala sobre a vida em Londres e dá dicas para quem pretende encarar o desafio de morar em outro país.

 

Envie sua sugestão

Uma vez por mês, até o final do ano, o Jornal O Florense vai contar a história de conterrâneos que estão desbravando alguma parte do mundo. Se você conhece alguém que nasceu em Flores da Cunha e hoje mora em outro país, mande sua dica para o email fabiano@jornaloflorense.com.br

Tweetar

Vídeos:

Florenses Pelo Mundo – Gabriel Vanelli Ferreira Braga

1 comentários

Ana Carolina Braga

15 de Março de 2017 às 12:37

Oie pessoal, ficou ótima a matéria, parabéns!!!!:)Abraços!

Deixe seu comentário