Além do amor e do destino

Por Larissa Verdi – larissa@jornaloflorense.com.br | 15 de Julho de 2017 às 10:46

Júlio César Kunz lança ‘Amor Fati’ em Flores da Cunha na próxima quarta-feira, dia 19 de julho, no Instituto Flávio Luis Ferrarini

Escolher cada momento como se ele fosse se repetir eternamente. A lei do eterno retorno é uma das referências implícitas à filosofia Nietzschiana que modulam o livro Amor Fati, primeira obra literária assinada por Júlio César Kunz que será lançada em Flores da Cunha no dia 19 de julho, a partir das 19h30min, no Instituto Flávio Luis Ferrarini (Rua Frei Eugênio, 948, no Centro). O evento contará com apresentação do livro e sessão de autógrafos, além da presença da violinista Camila Zarembski.

Entre as experiências enológicas, pessoais e alternativas, o engenheiro de alimentos e sommelier encontrou nos versos da poesia uma forma de fazer a escolha de momentos a se repetir. A coletânea foi escrita ao longo de muitos anos, e escolhida para se eternizar em 96 páginas, representando a produção literária que, para ele, é uma busca de cicatrização por meio da beleza.

Natural de Flores da Cunha, Júlio César teve sua primeira experiência marcante com as palavras quando, aos sete anos de idade escreveu sobre a vida do avô paterno, Eloy Kunz, que havia falecido. Mas foi durante um intercâmbio na Argentina que a paixão pelas letras em verso voltaram a conquistar o então quase formado engenheiro, por meio da obra do escritor Júlio Cortázar.

Júlio César concluiu sua formação, mas também colecionou cadernetas de versos. “A poesia não está em busca de qualquer verdade universal, mas talvez seja a melhor forma de expressar a visão única que cada um de nós tem do mundo”, descreve. Entre suas referências mais próximas estão também Vinícius de Moraes, Pablo Neruda, Clarles Bukowski e Fernando Pessoa.

Amor Fati vem da resignificação que Nietzsche dá ao provérbio latino ‘amor ao destino’. Um amor que não se confunde com a aceitação passiva do mundo sobre as nossas existências particulares, mas a admissão de que esse destino é fruto de nossas escolhas. “É uma exortação amar a vida como ela é e tomarmos as novas vidas com as próprias mãos. De certa maneira, Amor Fati é um canto à vida, com as asperezas e os prazeres que nela experimentamos”, define o escritor.

Aos 34 anos, Júlio César afirma estar em busca de um estilo próprio, mas brinca com o jogo de palavras e suas sonoridades, e com a multiplicidade de seus significados, com facilidade e malícia de um já consagrado poeta. A obra tem financiamento do Financiarte da Prefeitura de Caxias do Sul, e realização da Editora Belas Letras: Quatrilho Editorial; produção cultural da Lynch, assessoria de comunicação de Cali Troian e fotografias de Taty Sperry.

 

Agende-se

– O que: lançamento do livro Amor Fati (Quatrilho, 96pgs, R$ 24,90), de Júlio César Kunz.

– Quando: quarta-feira, dia 19 de julho.

– Horário: às 19h30min.

– Onde: Instituto Flávio Luis Ferrarini, em Flores da Cunha.

 

Tweetar

0 comentários



Ainda não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário