Blog - Direto da redação

O blog trata de temas políticos e econômicos e de fatos cotidianos.
Sobre o autor: Fabiano Provin, jornalista e sommelier, editor do Jornal O Florense.

Todos os comentários feitos nos blogs passam por moderação. Ou seja, os mesmos são avaliados antes de serem ou não liberados nas postagens.

Obra Autorizada

13 de Outubro de 2017 às 09:00 0 Comentários

O governador do Estado, José Ivo Sartori (PMDB), assinou no dia 9 o contrato para início da pavimentação de 14km da ERS-448, a partir do entroncamento com a ERS-437, entre Antônio Prado e Nova Roma do Sul. O trecho tem, ao todo, 16km... O investimento de R$ 14,1 milhões é oriundo da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), da Receita Federal e do Tesouro do Estado. A Matt Construtora foi a empresa vencedora da licitação, sendo que a obra será coordenada pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer-RS). O prazo de conclusão do trabalho é de 2 anos (outubro de 2019).

Tweetar Comentar

Vigilantes Nos Bancos

13 de Outubro de 2017 às 09:00 0 Comentários

O projeto de lei complementar do vereador Samuel de Barros Dias (PTB), não deixou os representantes das agências bancárias de Flores da Cunha muito contentes. A proposta que tramita na Câmara de Vereadores sugere a implantação de vigilância 24 horas por dia em bancos e postos conveniados. “Tivemos uma reunião com todos, a discussão é importante. Eles alegam dificuldades devido aos sistemas que já têm. Mas, e como fica o usuário? O usuário precisa de segurança. Vamos ser bonzinhos com as agências bancárias? Ou vamos dar mais segurança aos usuários?”, questiona o vereador. Dias frisa que as câmeras em funcionamento apenas gravam o movimento. “O vigilante trará mais sensação de segurança às pessoas”, argumenta Dias.

Tweetar Comentar

Pré-candidatos Ao Piratini Percorrem A Serra

07 de Outubro de 2017 às 19:40 0 Comentários

Flores da Cunha foi palco de um encontro promovido pelo PDT com o pré-candidato do partido ao governo do Estado na eleição de 2018, Jairo Jorge da Silva. Jornalista, ex-vereador (1989-1992) e ex-prefeito de Canoas (2009-2012 e 2013-2016), após a eleição municipal de 2016 ele se desfiliou do PT e ingressou no PDT. Atualmente, além da série de visitas que faz em cidades gaúchas, apresenta o programa de entrevistas Domínio Público na TV Urbana de Porto Alegre. O encontro com os militantes florenses ocorreu no restaurante La Cantinetta, no distrito de Otávio Rocha, na noite de 28 de setembro.

Aos 54 anos, Jairo Jorge disse que o PDT vive um momento especial. Para ele, 2018 será o ano dos trabalhistas. “Os gaúchos estão cansados da polarização PMDB-PSDB e PT. Precisamos construir uma nova via, um novo caminho, sem atirar pedras em ninguém. Acabou a era do marketing na política, os marketeiros foram importantes, porém, temos como liderar nosso caminho”, discursou. Entre os presentes, estavam Gilmar Sossella (deputado estadual), Alceu Barbosa Velho (ex-prefeito de Caxias do Sul), Claudete Gaio Conte (vereadora em Flores da Cunha), Jatir Mosquer (ex-vereador em Flores), Solange Sonda (ex-coordenadora regional da saúde), Adriano Galvão (assessor do deputado estadual Enio Bacci), Guido Baggio (empresário paduense), Jó Arse (ex-vereador em Caxias), Rafael Bueno (vereador em Caxias), Jaisson Barbosa (ex-vereador em Caxias) e Domingos Dambrós (presidente do PDT florense).

A caminhada em busca de consenso no partido incluiu, até a semana passada, a passagem de Jairo Jorge por 253 municípios. Faltando um ano para a eleição, ele disse que pretende conhecer todas as 497 cidades gaúchas. “Nosso projeto contempla aliados. O RS precisa crescer, está muito burocrático, os empreendedores não crescem. Os gaúchos dão certo em qualquer lugar do país, menos aqui. Vamos olhar para frente com foco em três áreas essenciais: saúde, educação e segurança”, enumerou. Para ele, o investimento do governo do Estado de apenas 1,8% da receita corrente líquida em infraestrutura é muito pouco. Por meio de parcerias público-privadas Jairo Jorge pretende gerar um “movimento novo”. “A receita não é simples e as soluções não são fáceis, são complexas. Precisamos avançar sem olhar para o passado, sem buscar culpados, olhar casos positivos como os de Goiás, Ceará, Espírito Santo, São Paulo e Santa Catarina, por meio de um planejamento regional, e não setorial”, argumentou, lembrando que o “sonho pode se tornar realidade 22 anos depois do quarto governo trabalhista” no Estado, referindo-se ao mandato de Alceu Collares (1991-1995).

 Júlio Soares/Objetiva/Divulgação

Eduardo Leite palestrou na CIC de Caxias no dia 2 de outubro.

Em Caxias do Sul, o advogado Eduardo Leite, 32 anos, que foi vereador (2009-2013) e prefeito (2013-2016) de Pelotas pelo PSDB, palestrou na reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) no dia 2 de outubro. Com a mesma linha de pensamento, citando que o Estado é um “paquiderme” e sem criticar o atual governador José Ivo Sartori (PMDB), Leite defendeu que é preciso utilizar ferramentas de gestão no setor público para torná-lo mais eficiente e com serviços qualificados. “Hoje o governo não tem agilidade para dar respostas à população. Quem não tem agenda governa pela agenda dos outros. Precisamos trilhar um caminho com metas, acordos de resultado. O Estado falha em tudo: abraça tudo e não entrega nada”, pontuou ele, que não é a favor da reeleição e ajudou a eleger sua então vice-prefeita, Paula Mascarenhas, com mais de 60% dos votos no pleito municipal de 2016 em Pelotas.

Leite defendeu a desestatização para manter o foco do governo nos serviços essenciais e a definição de propósitos estratégicos. “O monitoramento rotineiro das metas e indicadores é fundamental para a correção de rotas do planejamento. A prática garante a qualidade e melhoria dos processos, além do equilíbrio orçamentário. Você não pode mudar o que não pode medir”, explanou. Ao defender as privatizações, o tucano disse que o serviço público pode ser prestado pela iniciativa privada. Com o devido regramento, a privatização ou contratação, segundo ele, traz ainda como benefícios a geração de novas receitas, eliminação da burocracia corrupta e modernização do serviço. Para ele, o sucesso de um governo depende de três princípios: boa política, boa gestão e boa comunicação, e o mantra do gestor público deveria ser ‘senso de urgência, capacidade de indignação e foco no resultado’.

Foto: Fabiano Provin/O Florense Legenda: Encontro com Jairo Jorge em Otávio Rocha.
Tweetar Comentar

Recuperação Financeira do Rs

07 de Outubro de 2017 às 19:40 0 Comentários

O governador José Ivo Sartori (PMDB) enviou esta semana à Secretaria do Tesouro Nacional (STN) o plano de recuperação fiscal do Rio Grande do Sul. A proposta pode sofrer alterações e precisa receber aval da Assembleia. Entre as principais ações previstas, está o congelamento dos salários dos servidores públicos estaduais até 2020 (com exceção dos reajustes da segurança pública, assegurados até 2018), sem novas contratações, exceto para a reposição em áreas essenciais, como saúde, segurança e educação. Outras medidas: prorrogação do aumento de ICMS (que valeria até 2018), rigor na concessão de pensões (fim das vitalícias para cônjuges com idade inferior a 44 anos), cancelamento do uso dos depósitos judiciais (usados pelo Estado como uma espécie de ‘empréstimo’ para cobrir déficits desde 2004), privatização ou federalização de seis estatais (com plebiscito: CEEE, da Companhia Riograndense de Mineração e Sulgás); sem plebiscito: Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), Badesul e a parte do Estado no Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Tweetar Comentar

Impopular

07 de Outubro de 2017 às 19:40 0 Comentários

A popularidade do presidente da República, Michel Temer (PMDB), continua em queda, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Este é o quarto trimestre consecutivo de piora na avaliação do governo. A última pesquisa CNI-Ibope mostra que apenas 3% da população consideram o governo Temer ótimo ou bom e 77% consideram ruim ou péssimo; 16% avaliam como regular. Segundo a CNI, a avaliação do governo como ótimo ou bom é a pior desde o final do governo de José Sarney, em julho de 1989, que foi 7%.

 

Tweetar Comentar